top of page

Uma visão de amor


Sempre acreditei no destino, nas forças superiores e no poder da energia. Acredito que a força que nos move é o amor… O AMOR SUPREMO.

Por essa razão, o amor deve superar o medo nas nossas vidas. É mágico quando vemos uma pessoa progredir espiritualmente e vemos a raiva, o ressentimento, a ira, a vergonha, a culpa, a intolerância e a impaciência desaparecem e darem lugar à fé, à aceitação, à entrega, à bondade, à abnegação, à caridade, à compaixão entre muitas outras coisas, que emergem do amor-próprio e ao próximo.

Curiosamente, e para grande descanso meu, li em tempos no livro “A arte do amor” de um autor chamado Públio Ovídio Nasão que declinava todas as regras do seu tempo (43 a.c., Itália), afirmando que o amor espiritual é uma técnica. Treina-se! Hummm… Que bom! Eu penso exactamente da mesma forma… Acredito que apesar do destino, todos temos o livre arbítrio, e independentemente das nossas vivências, conjunturas e estados de espírito, no final de contas as nossas acções dizem muito daquilo que nós somos. E praticar o bem faz de nós, sem sombra de dúvidas, pessoas melhores!

Eu, em cada dia quando acordo tomo a decisão do que quero ser, de como quero viver:

Quero dar-me à complacência ou ser responsável?

Quero tratar bem de mim, ou atentar contra a minha intelectualidade, emocionalidade ou forma física?

Quero cuidar de mim e dos meus, ou ignorar a sua existência?

Quem é que eu quero ser hoje?

Este conjunto de questões (entre outras) fazem já parte de mim… tenho-as interiorizadas! E isto porque, além de muito treinadas, há um elemento vulgarmente apelidado em arquitectura de 4ª dimensão – o tempo, que me faz perceber que eu apenas tenho o momento presente. O dia de ontem já passou, e é responsável pelos meus medos, e o dia de amanhã não existe, e é responsável pelas minhas ansiedades. Por isso,

“Não deixe passar nenhum momento sem o aproveitar. A onda que passou á sua frente não voltará mais de onde veio. Assim também a hora que passou não pode mais voltar. É preciso aproveitar a sua idade… e sem achar que já é tarde.” (Ovídio – A arte de Amar)

E hoje eu faço tudo o que está ao meu alcance para ser feliz! Eu trato de mim, dos meus familiares, das pessoas que me são queridas… não sou perfeita, é um facto, mas quando me deito e encosto a cabeça na almofada a minha consciência está tranquila. E tenho assim um doce adormecer…


(imagem das rosas recebidas do H no dia 14/02/2021)

Commenti


bottom of page